Clemente Viegas

Clemente Viegas

caminhos por onde andei

A  ONÇA DO ITINGA

O exercício do escriba  tem lá uma “bactéria” resistente, que não se dá por vencida. Com o tempo cria calo e continua regurgitando, viva, reciclando. Assim são uns temas que os escrevo e que continuam despertando outras tantas edições. Cada qual com uma nova leitura e, tantas vezes, sem  uma única linha da vertente anterior.  Vitalidade da bactéria do escriba!

Assim foram temas tais como: “Zé Bicudo”, aquele sujeito que tinha fama de virar  bicho; “Mãe Nonata” – uma otcogenária senhora, reciclada do escravagismo que tinha o ofício de “acompanhar” ...

leia mais +

caminhos por onde andei

PEDINHA DE  ZEZENDO (vida real)

Nos anos 1960, do Governo Militar, os órgão de Imprensa estavam sob vigília cerrada do regime. A imprensa escrita de esquerda (Jornais e outros), tantas vezes de última hora e até mesmo atrasados da hora, tinham que desfazer, desmontar suas edições.  Era um sofrimento. Um arraso! E então, tantas vezes, para cobrir a lacuna, jornais preenchiam o espaço proibido com RECEITAS DE BOLOS E DOCES e outras guloseimas. Eu era um estudante e ficava vendo sem entender as receitas de bolo e doces na primeira página, ocupando espaço. O texto abaixo ...

leia mais +

caminhos por onde andei

ANCORETA

Leia-se “ancureta”. É um objeto de que tenho notícia porem não tenho qualquer intimidade. Trata-se de um  um utensílio feito em madeira, borracha ou plástico com a finalidade de  estocar líquido/s: água , cachaça, mel, vinho ou coisas assim. Nos caminhões e auto-cargas do passado, era costume ver-se uma “ancoreta” na parte inferior das carrocerias, adaptada aos solavancos dos veículos e de fácil acesso. Destinava-se ao armazenamento de água potável para o consumo humano. Hoje, ao que percebo quase não mais se vê  “ancoretas” sob carrocerias de caminhões, ainda que destinadas às antigas finalidades. Também ...

leia mais +

caminhos por onde andei

SAUDADE...

Se me perguntassem o que é saudade, eu diria: saudade é lembrança; é marca do que se  foi.   Saudade é o rastro do tempo. Saudade é o passado que se faz presente. Saudade é o ontem que se faz agora.  Saudade é um trecho da história. Saudade é nossa  cabeça, é o coração – é  memória.

- Saudade é aquela casinha de palha e chão batido, da infância; luz de querosene e tudo lá na distância... -Saudade é o meu pai – poeta e guerreiro; argumento, decidido e altaneiro... Saudade é minha ...

leia mais +

caminhos por onde andei

ERA UMA VEZ... O TEMPO DE REIS!!!

Uma passagem da Bíblia em Mateus capítulo 12, veículos 1 a 12, nos lembra que os Três Reis Magos, Melquior, Baltazar e GASPAR, guiados por uma estrela no céu, foram levar presentes tais como ouro incenso e mirra ao Menino Jesus que nascera em Belém. Daí então que no universo cristão-católico, com sabor folclórico praticam-se festividades a SANTOS REIS, sempre envolvida com doações, ou presentes.

Dita o ditério que “cada terra tem o seu uso e cada povo tem seu fuso”, de sorte que, ao que se ...

leia mais +

caminhos por onde andei

LENDAS DO MEDO
Zé de Fosta, também conhecido por Zé da Gorda, era um sujeito taciturno, fechado, caladão. Não tinha amigos e  morava só. Todos o evitavam. Na cumeeira de sua casa morava uma cobra jibóia, cuja hospedagem afastava qualquer intruso. Conheci-o morando nas terras do meu avô, num casebre  dentro do mato, servido por uma precária vereda, dentro de um matagal.  Meu avô dispensava-lhe atenção e exigia que o respeitassem.   Zé de Fosta era um sujeito “asqueroso”, ninguém  dele se aproximava também não era de se aproximar de ninguém. Só o nome já despertava vapor, ...

leia mais +

caminhos por onde andei

O CHÃO DOS MEUS ANCESTRAIS. 

Deixei a casa paterna aos sete anos de idade, numa manhã fria, com a minha mãe chorando pelos cantos e o meu pai incisivo e determinado na minha escolaridade -  para morar em casa alheia e continuar o primário, na VILA. A partir daí, e pelo resto dos tempos, voltava à minha casa, como visita, nas férias escolares mas sempre no trabalho da roça, como os demais. 

Depois do emprego público,  aos 21, voltava por vezes, nas férias do trabalho e às vezes nem isso. São as voltas que o ...

leia mais +

caminhos por onde andei

OITO DE DEZEMBRO – DIA DA CONCEIÇÃO

Amanhã, oito de dezembro, o Maranhão e o Brasil festejam o dia de Nossa Senhora da Conceição. Consoante consulta pública, a festa da Imaculada Conceição, comemorada em 8 de dezembro, foi inscrita no calendário litúrgico pelo Papa Sisto IV, em 28 de fevereiro de 1477. 

Atualmente, a solenidade da Imaculada Conceição de Maria (8 de Dezembro) é festa de guarda em toda a Igreja Católica, exceto em certas dioceses ou países onde, com a prévia aprovação da Santa Sé. Os votos e devotos de Nossa Senhora da Conceição ...

leia mais +

Clemente Viegas

Viegas, Clemente Barros. (São Clemente papa e mártir). CLEMENTE vem do Almanaque de Bristol, antiga publicação do laboratório farmacêutico. Estudou as primeiras letras na escola da palmatória e dos joelhos ao chão, no sertão. Concluiu o curso primário (na terra natal), no tempo em que a escolaridade era levada a sério. Foi menino de recado e de mandado. Nos cursos Secundário e Técnico no internato da Escola Federal, onde ingressou via do “Exame de Admissão”. Cursou Direito, num tempo em que não havia celular, nem internet, nem FIES, nem as vantagens atuais. Não tinha livros, escrevia em papéis avulsos, taquigrafava as aulas ao verbo dos professores. Morou em casas de estudantes e cortiço, andava a pé, driblou o bonde, poucas roupas, curtiu a “Zona” e jamais dirá que “comeu o pão que o diabo amassou”. Trabalha desde os cinco anos, com intervalo dos onze aos vinte anos. Está na casa dos 73. Não brincou quando criança ou adolescente e na vida adulta tem três brinquedos que os leva a sério: 1 - Escreve a coluna CAMINHOS POR ONDE ANDEI; 2 - Escreve a crônica PÁGINA DE SAUDADE, Rádio Mirante/AM, domingos, há mais de dez anos; 3 - Tem uma “rádio”, com antena de 300 mm de altura, 1.000 a 1500 mm de alcance, com dois ou três ouvintes que, como você vê, “um que pode ser você”. É o rastro e a sombra de si mesmo. É o filho que veio e os pais que se foram. Superou milhares de concorrentes para nascer. É mais um na multidão e considera-se a escrita certa por linhas tortas, na criação do CRIADOR. Cumprimenta os seus interlocutores com votos de “saúde”! E diz aos semelhantes todos os dias que “...a vida continua”. (•) Viegas questiona o social. e-mail: viegas.adv@ig.com.br