Crônica da Cidade

Crônica da Cidade

O Natal e as duas mulheres

Machado de Assis

 “Mudaria o Natal ou mudei eu?”

Cora Coralina

Enfeite a árvore de sua vida
com guirlandas de gratidão!
Coloque no coração laços de cetim rosa,
amarelo, azul, carmim,
Decore seu olhar com luzes brilhantes
estendendo as cores em seu semblante
Em sua lista de presentes
em cada caixinha embrulhe
um pedacinho de amor,
carinho,
ternura,
reconciliação,
perdão!
Tem presente de montão
no estoque do nosso coração
e não custa um tostão!
A hora ...

leia mais +

Isto aqui, ô ô

A nossa pátria amada sempre foi cantada em versos e prosa, com as exaltações de um povo heróico, o brado retumbante e o sol da liberdade em raios fúlgidos. Como não poderia deixar de ser, isso a partir do Hino Nacional, um dos símbolos da retórica do nosso arraigado patriotismo. Principalmente quando se recorre aos seus verdejantes versos para exaltar a nossa glória futebolística. Ao fazer a letra do nosso hino, Joaquim Osório Duque-Estrada cantou a todas as nossas virtudes naturais, como sermos gigantes pela própria natureza, o sol da liberdade, sem deixar de referir-se a nossa indolência, ...

leia mais +

Democracia: o poder invisível e o Estado de exceção

Desde os gregos, muitas foram as definições de democracia. Na Grécia antiga, Clístenes, que era um aristocrata, implantou reformas no sistema de governo, dando origem à democracia em Atenas. Lincoln define-a como governo do povo, pelo povo e para o povo. Churchill, mais radical, assim a denominava: democracia é a pior forma de governo, com exceção de todas as demais. Norberto Bobbio, ao falar sobre o poder invisível, afirma que a democracia é idealmente o governo do poder visível, isto é, o governo cujos atos se desenrolam em público e sob o controle da opinião pública. Nada impede ...

leia mais +

Lembranças e Saudades

Costumo sempre alardear aos quatro cantos, por aonde ando ou passo, que Imperatriz, esta belíssima cidade banhada pelo rio Tocantins, foi a minha Fênix. - uma ave mitológica grega, símbolo da morte e do renascimento, que morria e renascia das cinzas. Nesta terra tocantina, por várias razões e circunstâncias, de muitos conhecidas e de outros, não, consegui renascer para uma outra vida. Esses fatos têm muita importância a mim e a todos aqueles com os quais convivi. Foram muitas lutas no campo jurídico como advogado e no exercício da função, à época bem difícil, de presidente da Subseção ...

leia mais +

O cego de Jericó

Jesus, ao aproximar-se de Jericó, deparou-se com um cego sentado à beira do caminho. A multidão seguia Jesus causando grande confusão, pois cada um queria tocar no mestre para dele receber as suas bênçãos e curas dos seus males. O cego perguntou o que estava acontecendo para ter todo aquele burburinho. Um dos passantes respondeu: - É Jesus de Nazaré. O cego, ao ouvir isso, não se conteve e clamou; - Jesus, filho de Davi, tem piedade de mim! Foi o cego repreendido rudemente por aqueles que se encontravam na proximidade de Jesus. Mas o cego não aceitou ...

leia mais +

Quinta-feira 7: o que o STF julgou

Vamos esclarecer, antes que os incautos, ignorantes e maldosos digam que o Supremo Tribunal Federal, ao julgar as ações declaratórias de constitucionalidade, determinou que, daqui para frente, não haverá mais prisão, embora haja prática de qualquer crime por mais hediondo ou menos que seja. Para entender-se o que ocorreu, há necessidade de fazermos um resumido histórico das posições do STF, até que se chegue à quinta-feira 7 de novembro deste ano de Nosso Senhor Jesus Cristo, como costumam alertar os cristãos fervorosos e os não assim tão fervorosos. Vamos lá aos fatos.
A Constituição brasileira vigente foi ...

leia mais +

A Ditadura e o AI-5

O destemperado deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho dileto do Jair, num rompante principesco, obriga-nos a recorrer à recente história da ditadura civil-militar. E voltamos a 13 de dezembro de 1968, quando um texto autoritário e cerceador das liberdades democráticasfoi levado ao general-presidente Artur da Costa e Silva, que liderava, desde antes de chegar ao poder, a linha dura do regime ditatorial de 1964. Esse documento, o AI-5, estabeleceu o arbítrio absoluto, concedendo poderes ilimitados ao ditador de plantão. De tudo aconteceu para que fosse editado o Ato Institucional n.° 5. Fervilhava, no primeiro ano do governo Costa e ...

leia mais +

E o Queiroz, hem? Faz fila, né!?

- Não precisa vincular a eles. É só chegar: nomeia fulano pra trabalhar contigo aí. Vinte continhos pra gente caía bem pra c... E mais: - O gabinete do Flávio faz fila de deputados e senadores pra conversar com ele. Salariozinho bom desse caía como uma luva. Tem mais de 500 cargos, cara, lá na Câmara, no Senado. Pode indicar qualquer comissão ou, alguma coisa, sem vincular eles com nada. Faz fila de deputados e senadores. No gabinete do Flávio.
Esse Queiroz sabe das coisas. E como sabe, hem?! É laranja pra cá, laranjal pra lá. E, ...

leia mais +